dicas-nao-queimar-alto-falantes

Nada é pior do que queimar o alto-falante de um sistema de som no meio da festa, não é mesmo? E saber porquê ele queimou pode ser uma tarefa árdua e difícil de desvendar. Decidimos criar este post para que você siga alguns passos simples e básicos mas que podem evitar a queima do alto-falante e gastos altíssimos com um produto novo.

Confira abaixo as 5 dicas essenciais para não queimar seu alto-falante e manter sua integridade prolongada.

  • 1 – Observe sempre a impedância mínima suportada pelo seu amplificador.
    Suponhamos que você tenha uma caixa com 2 alto-falantes de 4 Ohms ligados em série (4+4=8 Ohms) e um amplificador com impedância mínima suportada de 4 Ohms. Neste caso, você perderá aproximadamente a metade da potência do amplificador pois os alto-falantes possuem o dobro da impedância que o módulo suporta. Caso você tenha os alto-falantes ligados em paralelo (4/2=2 Ohms) a impedância será menor que a mínima suportada pelo amplificador e pode ocorrer a queima tanto do alto-falante como do amplificador. Portanto, verifique o “casamento” de impedâncias entre alto-falantes e módulos para que fiquem com os mesmos valores;
  • 2 – Verifique a potência suportada tanto pelo alto-falante como pelo amplificador.
    Caso seu amplificador seja mais fraco do que seu alto-falante, ele irá distorcer o som porque não tem potência suficiente para fazer o movimento para o alto-falante excursionar. Isso poderá causar a queima inevitável do alto-falante a qualquer momento. O ideal é sempre ter um amplificador um pouco mais forte do que o alto-falante. Caso seu alto-falante tenha 500 Watts RMS de potência, indicamos que você ligue-o num amplificador de 500 a 600 Watts RMS para tocá-lo. E caso você utilize um amplificador ainda mais forte que o indicado, seu alto-falante pode excursionar mais do que ele suporta e pode danificar todos os seus componentes inclusive a bobina que poderá derreter.
  • 3 – Utilize os cabeamentos ideais de acordo com o consumo dos componentes.
    Um bom cabeamento de todo o sistema é a garantia de um bom funcionamento dos componentes como um todo. Peça ajuda de um técnico profissional de som para verificar qual a melhor opção de cabeamento para os seus alto-falantes. Dependendo da bitola (espessura) do cabo em relação à potência aplicada nele, pode acabar esquentando a ponto de derreter e assim ocasionar um curto-circuito e o resto você pode imaginar. Isso pode acontecer se o cabeamento for muito fino, além da corrente ficar limitada. E se você instalar cabos além da espessura necessária, não irá queimar seu sistema porém será dinheiro jogado fora porque a corrente não necessitará de um condutor tão espesso. Vale lembrar que é de suma importância fazer um bom aterramento do sistema para que seja evitado ainda mais problemas.
  • 4 – Certifique-se que a caixa é a ideal para o seu alto-falante.
    Um dos maiores problemas em sistemas de som é o cuidado com a litragem e dutos (no caso de caixas dutadas) das caixas de som. Construa uma caixa ou compre uma pronta, de acordo com a litragem fornecida pelo fabricante no manual do produto ou através de algum software de desenvolvimento de caixas como por exemplo, o aplicativo JBL Tools (veja o nosso post sobre ele clicando aqui). No site da Premier Shop você encontra dezenas de caixas prontas, projetadas com as litragens ideais para cada tipo e tamanho de alto-falante. Veja alguns exemplos:

  • 5 – Verifique a faixa de frequência que o alto-falante e o módulo operam.
    Como sabemos, todos os alto-falantes (subwoofers, woofers, drivers, super tweeters, etc…) possuem uma resposta de frequência em que operam. Se um determinado alto-falante receber frequências além do limite informado pelo fabricante, ocasionará distorções e, mesmo sendo forçados a tocá-las, não será possível pois sua estrutura não foi projetada para além da frequência informada pelo fabricante. Portanto, é muito importante observar quais são as faixas que os alto-falantes operam (isso está informado no manual do alto-falante) e, caso necessário, fazer os cortes de frequências adequados para os mesmos. Se o seu módulo não possuir essa tecnologia, é indispensável a instalação de um crossover que faça essa função. Caso não seja feito os cortes de frequência, podem ocorrer danos ao alto-falante e até mesmo a queima dos componentes.

Tendo conhecimento dessas observações na hora de montar seu sistema de som, você poderá ficar muito mais despreocupado com a queima repentina dos seus alto-falantes e aproveitar por muito mais tempo o seu querido som que você lutou tanto para montar. É claro que não é apenas com essas dicas que você estará livre de problemas com o seu som. Nosso maior objetivo é minimizar danos ao seu sistema de som automotivo ocasionado por uma instalação equivocada dos componentes.

Até mais pessoal!

Ah! E não deixem de participar do post registrando seu comentário logo abaixo.